terça-feira, 31 de agosto de 2010

Se ao menos pudéssemos escapar disso de estarmos sempre fazendo o papel de nós mesmos!


Erica Jong

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

sobre a morte (de novo)

Alguns acontecimentos do fim de semana me trouxeram lembranças não muito boas de três anos atrás...
Mas também me fizeram reforçar o que aprendi sobre a morte nos últimos três anos. Morrer não é ruim. Pra quem continua vivo é que fica mais difícil, conviver com a perda, com a dor, com a saudade, com o vazio que fica, é que é complicado. Quem se vai evoluiu, nos deixa mas vai viver em um mundo melhor. Parte para outra era, outro ciclo, outra vida. 
O melhor que temos a fazer, é torcer para que tudo dê certo nessa nova etapa de sua eternidade. 

Sorte é se abandonar e aceitar essa vaga ideia de paraiso que nos persegue, bonita e breve, como borboletas que só vivem 24 horas. Morrer não dói.
Cazuza

love

adaptação

Dias de mudanças. Poucas, mas tão significativas.
É uma pena...
Pois é, fazer o que.
Não dizem que o ser humano é o bicho mais adaptável do planeta?
Hora de por em prática!
Adaptar-se às mudanças. O quanto antes for possível.

sábado, 28 de agosto de 2010

como maçã ácida

- Quanto tempo demora? - perguntou ele.
- Não sei. Um pouco.
Sohrab deu de ombros e voltou a sorrir, desta vez era um sorriso mais largo.
- Não tem importância. Posso esperar. É que nem maçã ácida.
- Maçã ácida?
- Um dia, quando eu era bem pequenininho mesmo, trepei em uma árvore e comi uma daquelas maçãs verdes, ácidas. Minha barriga inchou e ficou dura feito um tambor. Doeu à beça. A mãe disse que, se eu tivesse esperado as maçãs amadurecerem, não teria ficado doente. Agora, quando quero alguma coisa de verdade tento lembrar do que ela disse sobre as maçãs.

O Caçador de Pipas - Khaled Hosseini

Era duro porque eu não queria ficar em São Paulo, eu não gosto de São Paulo. Mas eu não gosto de Porto Alegre, não gosto do Rio também. Não gosto de lugar nenhum. Não suporto lugares geográficos.

Caio F.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Trata-se de saber se devo prosseguir nos meus impulsos. 
E até que ponto posso controlá-los.

Clarice Lispector

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

(...) no fundo, você está sempre só.

No começo do amor, você descobre o outro. Aos poucos, vai se descobrindo também. Mas existe um sentimento de eu-te-completo-você-me-completa e você pensa que está seguro. Que nada de ruim vai acontecer. E que, se acontecer, você terá todo o suporte do mundo. Ouvidos, entendimento, cumplicidade, parceria, carinho, amor. E você tem, sempre. Até o dia em que, por motivos de força maior, você não tem. E se vê só. Se vê um pouco perdido, frágil, desacreditado nas coisas e, principalmente, nos sonhos, pois você repensa cada passo. Então, percebe que precisa disso, precisa se perder um pouco do amor para se encontrar e para aprender que, no fundo, você está sempre só com a sua consciência, seus jeitos, suas manias, seus traumas, suas neuras, seus defeitos.

Clarissa Corrêa

você sabe...

Sooner or later, you start taking yourself seriously. you know when you need a break. you know when you need a rest. you know what to get worked up about and what to get rid of. and you know when it’s time to take care of yourself, for yourself. to do something that makes you stronger, faster, more complete. because you know it’s never too late to have a life. and never too late to change one. 

Nike Advertisement

quarta-feira, 25 de agosto de 2010


 
Penso em você principalmente como a minha possibilidade de paz - a única que pintou até agora nesta minha vida de retinas fatigadas. 
E te espero. E te curto todos os dias. E te gosto. Muito.

Caio Fernando Abreu

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Quando a morte conta uma história, você deve parar para ler.

Depois, os humanos. 
Em geral, é assim que vejo as coisas. 
Ou, pelo menos, é o que tento. 

EIS UM PEQUENO FATO: 
Você vai morrer. 

Com absoluta sinceridade, tento ser otimista a respeito de todo esse assunto, embora a maioria das pessoas sinta-se impedida de acreditar em mim, sejam quais forem meus protestos. Por favor, confie em mim. Decididamente, eu sei ser animada, eu sei ser amável. Agradável. Afável. E esses são apenas os As. Só não me peça pra ser simpática. Simpatia não tem nada a ver comigo. 

REAÇÃO AO FATO SUPRACITADO: 
Isso preocupa você? 
Insisto - não tenha medo, 
Sou tudo, menos injusta. 


Por mais que todas as portas estejam trancafiadas, às sete chaves e não haja frestras nas janelas, saindo pra rua
tudo é possibilidade. 

quero colo.
vou fugir de casa.
posso dormir aqui com vocês?

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

sobre perdas

Ando perdendo a vontade de ter sentimentos.
Perdendo a vontade de raciocinar com a emoção,
sentir com a razão.
Por isso eu digo que perdi o fio da meada.
Acho que perdi tempo misturando muito as coisas,
confundindo o verdadeiro e o falso, o real e o ideal.
E agora eu me olho e vejo perdas. Só perdas.
Sem retorno, sem conserto, sem talvez.
Porque o tempo não é algo que possa voltar atrás, como dizia William.

sobre os últimos acontecimentos

Eu queria poder dizer que sim, está tudo bem.
Mas não, não está tudo bem.
Ah, eu posso conviver com isso. Tudo bem. Acontece muito disso por aí.
Mas dói, sabe!? Machuca, incomoda. Divide. 
Aí eu me pego pensando milhões de vezes por dia por-que-comigo-será-que-eu-mereço-mesmo?
Sim. Eu mereço. Tudo. Tudo é como tem que ser.
O que nos resta é passar por isso. Superar. Seguir adiante. Ir em frente. 
Mas a grande pergunta é, até quando eu aguento...?
Isso é o que dá mais medo.

sábado, 21 de agosto de 2010

Só olhando e pensando:


Meu Deus, mas como você me dói de vez em quando...
Caio F.

na hora certa

Quando você estiver preparado para fazer uma coisa nova, de uma maneira nova, você fará, com pessoas novas. Há gente à espera da pessoa em que você está se transformando. Se você espera um amor, um emprego, um alguém distante, uma saudade, a eternidade. Ele ou ela, chega, acredite. Mas, você precisa ser forte até lá e estar preparado, pra perceber e para receber isto. Não adianta lamentar, lamentar não é progredir, não é fazer a lição de casa. E ela não se faz sozinha, acredite em mim. Uma vez eu li, em algum lugar, algo assim: "Quando o aluno está pronto, o mestre aparece". Na época, eu não entendia muito bem, hoje faz todo sentido. A pessoa certa, o emprego certo, a chance certa só está esperando você ficar pronto, para aparecer na sua vida. O que você precisa, mais do que o que você quer, vai chegar. Mas, você precisa aceitar isso: Não será do jeito que você quer. Será na medida que você agir, do jeito que você merecer.


Valdeline Barros

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Isso também passa...

Chico Xavier costumava ter em cima de sua cama uma placa escrita: ISSO TAMBÉM PASSA! Então perguntaram a ele o porquê disso... Ele disse que era para que quando estivesse passando por momentos ruins, se lembrar de que eles iriam embora, que iriam passar, e que ele estava vivendo isso por algum motivo. Mas essa placa também era para lembrá-lo de que quando estivesse muito feliz, não deveria deixar tudo para trás e se deixar levar, porque esses momentos também iriam passar e momentos difíceis viriam novamente. É exatamente disso que a vida é feita, momentos. Momentos que TEMOS que passar, sendo bons ou não, para o nosso próprio aprendizado. 

Nunca esquecendo do mais importante: NADA NESSA VIDA É POR ACASO.
Absolutamente nada. Por isso temos que nos preocupar em fazer a nossa parte, da melhor forma possível... A vida nem sempre segue o nosso querer.
Mas ela..

É PERFEITA NAQUILO QUE TEM QUE SER! 


MALDITO AGOSTO!

eu queria gritar.
correr.
fugir.
bater.
mas só consigo chorar.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

sobre a pressa

"eu tenho pressa, e tanta coisa me interessa..."


que o tempo e as forças do universo corram a meu favor.

O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL! 
Please...

Estava vagamente alegre, como se tivesse recuperado alguma promessa, algum perfume de infância, alguma certeza de que a realidade cumpria-se desse jeito, e não daquele.

Adriana Lisboa

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

do brilho nos olhos

- Vi a Camille no fim de semana. Ela disse que nunca viu este brilho em meus olhos, Lúcio...

- Diga a ela que os brilhos sempre são construídos, Luísa.

Cadernos de Luísa - Vanessa Souza Moraes

terça-feira, 17 de agosto de 2010

"Eu tirei a porta do caminho - ridiculamente ansiosa - E lá estava ele, o meu milagre pessoal."

6 meses

"Daí que eu me sinto a vontade com você como nunca tinha me sentido com nenhum outro. Eu me vi em você. Foi isso que eu vi. Foi isso que me fez entender, que era você."



segunda-feira, 16 de agosto de 2010

"Eu chorei no velório. Deixei as lágrimas encharcarem minha cara num silêncio total, com um baita peso na consciência por não poder sequer arranjar coragem pra falar sobre ele. Eu sabia que quase todos ali estavam só pensando que ele era um pinguço, enquanto eu me lembrava das outras coisas também.
- Ele era um cavalheiro - falo baixinho agora. Que pena que não disse isso um dia, penso.
- Me perdoe - digo pra ele agora - Me perdoe meu pai."

Eu sou o Mensageiro - Markus Zusak 

3 anos

É tão difícil falar.. na verdade a impressão que tenho, é que cada vez que eu lembro, o vazio dentro do meu peito fico maior. Parece-me que se eu chegar a comentar com alguém o que eu sinto a respeito de tudo isso, um mar de lágrimas surgirá, um abismo de desespero e dor irão me engolir. Eu não quero chorar. Ele não gosta quando eu choro, ele não fica em paz quando eu chamo por ele. Eu não quero ser culpada pelo seu "não descanso eterno", mas é tão difícil, tão... involuntário. 
Enquanto criança houve tempos em que não compreendia, mas você me mantinha na linha. Eu não sabia por que você não aparecia às vezes, aos domingos de manhã e eu sentia sua falta. Todos aqueles problemas de gente grande que as separações trazem. Você nunca me deixou saber. Você nunca demonstrou. Porque você me amava. E, obviamente, há muito ainda o que dizer. Se você estivesse aqui comigo hoje... Eu nunca soube que podia doer tanto. E a cada dia que a vida passa, eu desejo poder falar com você por um tempo. E é verdade que você atingiu um lugar melhor (é o que eu espero). Mas eu ainda daria o mundo para ver seu rosto. E estar bem a seu lado. É como se você tivesse ido cedo demais. E eu nunca pude dizer adeus...Você nunca teve a oportunidade de ver como eu me saí bem. Eu queria que você estivesse aqui, para celebrarmos os dias dos pais juntos. Eu queria que pudéssemos passar os feriados juntos. Eu lembro de quando você costumava me por para dormir, com o ursinho de pelúcia que me deu, e que eu abraçava bem forte. Eu achava que você era tão forte, que iria passar por qualquer adversidade..
É tão difícil aceitar o fato de que você se foi para sempre.
E não parece que a dor tenha diminuído com o tempo. Eu é que ficara forte o bastante para suportá-la.

I miss you.





sábado, 14 de agosto de 2010

eu só quero que você saiba, que eu estou pensando em você...
agora e sempre mais.

Temos horror da decisão porque toda decisão implica risco.
(...)



Jorge Forbes

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Espero que o tempo passe
Espero que a semana acabe
Pra que eu possa te ver de novo...
Espero que o tempo voe
Para que você retorne
Pra que eu possa te abraçar
E te beijar... De novo.






QUE
TEM
DE 
SER
TEM
MUITA 
FORÇA

Guimarães Rosa

planos, sonhos, ESPERANÇA,

 medos, esperas, riscos.
e a grande dúvida...

liberdade?

(...)Se você quiser ir só um pouquinho mais fundo, poderíamos falar sobre a natureza da própria liberdade. Será que liberdade significa que você tem permissão para fazer o que quer? Ou poderíamos falar sobre tudo que limita a sua liberdade. A herança genética de sua família, seu DNA específico, seu metabolismo, as questões quânticas que acontecem num nível subatômico onde só eu sou a observadora sempre presente. Existem as doenças de sua alma que o inibem e amarram, as influências sociais externas, os hábitos que criaram elos e caminhos sinápticos no seu cérebro. E há os anúncios, as propagandas e os paradigmas. Diante dessa confluência de inibidores multifacetados - ela suspirou -, o que é de fato liberdade?



A cabana - William P. Young

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

I wait...

Não há limite de tempo. Comece quando quiser. Mude ou continue sendo a mesma pessoa. Não há regras para isso. Pode tirar o máximo proveito ou o mínimo. Espero que tire o máximo. Espero que veja coisas surpreendentes. Espero que sinta coisas que nunca sentiu antes. Espero que conheça pessoas com um ponto de vista diferente. Espero que tenha uma vida da qual se orgulhe. E se não se orgulhar...
Espero que encontre forças para começar tudo de novo.

O curioso caso de Benjamin Button

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

O aperto? É excesso de bem querer.

Jaya

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Não se enganem, o ser humano morre não quando o seu coração deixa de pulsar, mas quando de alguma forma deixa de se sentir importante.


Augusto Cury

domingo, 8 de agosto de 2010

Feliz dia dos pais

Sabe, passei o dia pensando no que escrever aqui sobre você. Pensei, repensei. Acendi velas, tentei lembrar todos os momentos felizes que passamos juntos. Foram tantos, mas ao mesmo tempo tão poucos. Eu estava aqui sentada assistindo o filme "P.S. I love you" e pensando como eu gostaria que tu também tivesse me deixado cartas. Cartas me dizendo o que fazer, o que vestir, para onde ir... como no filme. Mas você não deixou. Você simplesmente não teve tempo. E no tempo que tu teve, que nós tivemos, nada foi dito. Na verdade foram ditas tantas coisas, mas eu simplesmente não prestei atenção como deveria. Desculpe-me por isso. Sabe, às vezes me sinto tão perdida, "só, numa multidão", sinto que falta um pedaço de mim. E por mais que eu tente, nada preenche. Ninguém pode te substituir. Você continua ocupando o mesmo lugar no meu coração, mas ficou vazio o lugar que você ocupava na minha vida, nos meus dias, feriados, natais, e, principalmente, no dia dos pais.
Espero que você esteja bem por aí. Não te preocupa comigo, estou muito bem. Deus tirou você dos meus dias aqui na terra, mas me deixou muitas pessoas boas (algumas que sempre estiveram comigo, e outras que encontrei no caminho, nestes últimos três anos. Gostaria que você conhecesse..).
Obrigada por tudo.
Sinto tua falta. Todo o tempo.


Feliz dia dos pais, Pai.



P.S. I love you!

sábado, 7 de agosto de 2010

Podemos escolher o que queremos criar. 
Onde demoramos mais os nossos olhos.
Com o que alimentamos o nosso coração.
O que propagamos sutilmente no mundo.

Ana Jácomo

blá blá blá

Falam de tudo. Da moral, do comportamento, dos sentimentos, das reações, dos medos, das imperfeições, dos erros, das criancices, ranzinzisses, chatices, mesmices, grandezas, feitos, espantos. Sobretudo falam do comportamento e falam porque supõem saber. Mas não sabem, porque jamais foram capazes de sentir como o outro sente. Se sentissem não falariam.


Nelson Rodrigues

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Sugestões para atravessar agosto

Caio Fernando Abreu. August 5th, 1995.
Para atravessar agosto é preciso antes de mais nada paciência e fé. Paciência para cruzar os dias sem se deixar esmagar por eles, mesmo que nada aconteça de mau; fé para estar seguro, o tempo todo, que chegará setembro- e também certa não-fé, para não ligar a mínima às negras lendas deste mês de cachorro louco. É preciso quem sabe ficar-se distraído, inconsciente de que é agosto, e só lembrar disso no momento de, por exemplo, assinar um cheque e precisar da data. Então dizer mentalmente ah!, escrever tanto de tanto de mil novecentos e tanto e ir em frente. 
Este é um ponto importante: ir, sobretudo, em frente. 
Para atravessar agosto também é necessário reaprender a dormir, dormir muito, com gosto, sem comprimidos, de preferência também sem sonhos. São incontroláveis os sonhos de agosto: se bons, deixam a vontade impossível de morar neles, se maus, fica a suspeita de sinistros angúrios , premonições. Armazenar víveres, como às vésperas de um furacão anunciado, mas víveres espirituais, intelectuais, e sem muito critério de qualidade. Muitos vídeos de chanchadas da Atlântida a Bergman; muitos CDs, de Mozart a Sula Miranda; muitos livros, de Nietzche a Sidney Sheldon. Controle remoto na mão e dezenas de canais a cabo ajudam bem: qualquer problema , real ou não, dê um zap na telinha e filosoficamente considere, vagamente onipotente, que isso também passará. Zaps mentais, emocionais, psicológicos, não só eletrônicos, são fundamentais para atravessar agostos. Claro que falo em agostos burgueses, de médio ou alto poder aquisitivo. Não me critiquem por isso, angústias agostianas são mesmo coisa de gente assim, meio fresca que nem nós. Para quem toma trem de subúrbio às cinco da manhã todo dia, pouca diferença faz abril, dezembro ou, justamente, agosto. Angústia agostiana é coisa cultural, sim. E econômica. Mas pobres ou ricos, há conselhos- ou precauções- úteis a todos. (...) Para atravessar agosto ter um amor seria importante, mas se você não conseguiu, se avida não deu, ou ele partiu- sem o menor pudor, invente um. Pode ser Natália Lage, Antonio Banderas, Sharon Stone, Robocop, o carteiro, a caixa do banco, o seu dentista. emoto ou acessível, que você possa pensar nesse amor nas noites de agosto, viajar por ilhas do Pacífico Sul, Grécia, Cancún ou Miami, ao gosto do freguês. Que se possa sonhar, isso é que conta, com mãos dadas, suspiros, juras, projetos, abraços no convés à lua cheia, brilhos na costa ao longe. E beijos, muitos. Bem molhados. Não lembrar dos que se foram, não desejar o que não se tem e talvez nem se terá, não discutir, nem vingar-se, e temperar tudo isso com chás, de preferência ingleses, cristais de gengibre, gotas de codeína, se a barra pesar, vinhos, conhaques - tudo isso ajuda a atravessar agosto. Controlar o excesso de informações para que as desgraças sociais ou pessoais não dêem a impressão de serem maiores do que são. Esquecer o Zaire , a ex-Iugoslávia, passar por cima das páginas policiais. Aprender decoração, jardinagem, ikebana, a arte das bandejas de asas de borboletas - coisas assim são eficientíssimas, pouco me importa ser acusado de alienação. É isso mesmo, evasão, escapismos, explícitos.
Mas para atravessar agosto, pensei agora, é preciso principalmente não se deter de mais no tema. Mudar de assunto,digitar rápido o ponto final, sinto muito perdoe o mau jeito, assim, veja, bruto e seco:.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

"Laissez faire, laissez passer, le monde va de lui même." 



Vincent de Gournay

Estou aprendendo com a noite. Dá sempre para encontrar
a luz de dentro, quando a luz de fora se apaga.

Lídia Martins

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Como dizia Voltaire

 “Resolvi ser feliz porque é melhor para a saúde".


terça-feira, 3 de agosto de 2010

e alguém igual...


...Não há de ter!

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

sobre a dor

Porque existem coisas que, passe o tempo que passar, aconteça o que acontecer, não importa aonde nem como nem quando, simplesmente, vezenquando, doem. Seja porque você viu aquela velha foto, ou por acaso tocou  no rádio aquela música que nunca mais tinha tocado, ou porque do nada a lembrança apareceu na tua mente. E tu não sabe explicar ao certo porque dói, só... dói.
E não é dor de saudades, nem de ciúmes. Nada que te faça ter vontade de voltar atrás. Mudar tuas decisões.
Quem sabe seja uma dor pelo passado. Por tudo que poderia ter sido e não foi. Por tudo que tu não quis que fosse. Algo que dói pela pessoa que tu foi no passado. Aquela que só restam vestígios na pessoa que tu é hoje.


Mas isso, também, não tem nada a ver com o presente. Foi só um desabafo, de um sentimento, que de quando em quando (re)aparece. E que, pelo jeito, nunca vou entender o porque. 

Às vezes é preciso diminuir a barulheira, parar de fazer perguntas, parar de imaginar respostas, aquietar um pouco a vida para simplesmente deixar o coração nos contar o que sabe.

E ele conta. Com a calma e a clareza que tem.
Ana Jácomo