sexta-feira, 25 de junho de 2010

sobre a morte

A morte. O tão temido "fim" para muitos. Eu nunca tive medo de morrer. Tenho medo de perder meus entes queridos. Tenho medo da dor, da saudade, do vazio que fica. Tenho medo do que a morte traz para os nossos dias. Ou do que ela rouba dos nossas dias. Mas da morte em si, no singular, não tenho medo. Morrer não é ruim... Ruim é pra quem fica aqui. Pra quem continua vivo. Pra quem não sabe o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, com os momentos que ficaram incompletos, com a saudade insaciável. Quem vai, tenho certeza que sofre também, sofre por ir para um outro mundo, um mundo desconhecido. Sofre por não poder ajudar quem fica. Por não poder consolar. Gritar. Socorrer. Dizer: ei! eu continuo aqui por você. De outra forma, mas eu vou estar aqui sempre!. Sofre, mais ainda, quando não consegue se fazer escutar.
Mas com o tempo - sempre ele não é!? - Nós aqui, e eles lá, nos "acostumamos". Com a morte e com tudo que  vem com ela. Tudo passa. Sempre foi assim e sempre vai ser.
Volto a repetir: Morrer não é ruim! 'O segredo é saber como morrer...'
E saber, também, como aceitar a morte.
Eu aprendi. Aceito ela. Convivo com ela todos os dias da minha vida aqui na terra. Às vezes dói mais, às vezes dói menos. Mas eu compreendo. Não sofro mais, e quem partiu, consequentemente, não sofre mais por minha causa.
Agora, cabe a vocês aprenderem também. Não é fácil. Mas é preciso. E é o melhor.
E, afinal de contas, o que pode ser mais natural nesta vida do que nascer e morrer?

Um dia, vocês se reencontram. Um dia, nós nos reencontramos.

0 comentários: