quinta-feira, 13 de maio de 2010

Tão estranho carregar uma vida inteira no corpo e

ninguém suspeitar dos traumas, das quedas, dos medos, dos choros.

Caio Fernando Abreu

0 comentários: